Categorias
[ Música ]

Lubomyr Melnyk

O profeta do piano.

“… não parece efectivamente fazer parte deste tempo e nem o consigo considerar propriamente humano…”

Lubomyr Melnyk – Barcarolle
Fotografia de Alex Kozobolis (em erasedtapes)

A fracção de tempo em que vivemos parece não merecer a sorte da coexistência com alguns seres. Um deles é Lubomyr Melnyk. O nome dele escrito, raramente não aparece como um erro ortográfico ou de desconhecido no dicionário. À primeira vista, poder-se-ia até ter a tentação de justificar esse facto por ser um nome de nacionalidade ucraniana, mas também quantos nomes estrangeiros já não pertencem a um quase dicionário universal?! A verdade é que se assim não fosse passaríamos a poder nos apropriar dele, na nossa fracção tempo. E ainda bem que não podemos, pois é importante termos a consciência que de facto Lubomyr Melnyk não parece efectivamente fazer parte deste tempo e nem o consigo considerar propriamente humano. Mas se até aqui pudesse ser difícil imaginar o porquê de tudo isto, mesmo depois de se ouvir a sua estonteante e talentosa música, o que nos parece praticamente impossível de acontecer, como se costuma dizer “contra factos não há argumentos” e então vejamos:

– Lubomyr é conhecido pela sua característica técnica de música contínua que se baseia numa execução de notas rápidas e séries de notas altamente complexas normalmente utilizando o pedal de sustentação;

– Lubomyr consegue tocar 19,5 notas diferentes por segundo com cada mão (recorde registado);

– Lubomyr consegue tocar entre 13 a 14 notas por segundo durante 1 hora (recorde registado).

Mas se toda esta demonstração de elevada técnica o torna tão especial e surreal, o que faz dele ser de outro mundo é a combinação dessas características com o seu sentido estético, de harmonia e de conseguir criar na sua música histórias com tantas sensações e emoções.

Fotografia de erasedtapes.com

Lubomyr nasceu na Ucrânia em 1948 e depois de estudar piano clássico e se ter formado em Filosofia e Latim no Canadá, em 1970 Melnyk foi para Paris, onde se viu sem casa e desesperado para conseguir uma fonte de rendimento. Foi então neste ponto que Lubomyr começou a acompanhar musicalmente as aulas de dança da companhia da coreógrafa experimental Carolyn Carlson. Essa experiência de poder ver os dançarinos de Carolyn arrebatou-o como uma epifania e começou a tocar um novo tipo de música, mais espontânea e de improvisação distanciando-se assim das convenções clássicas mais rígidas. Utilizando o pedal de sustentação para criar eco e reverberação Melnyk conseguiu transformar cascatas de notas livres em ondas de som hipnotizantes. Foi então neste ponto que Lubomyr encontrou um nome para este novo estilo: “música contínua”, que ele usa até ao dia de hoje.